Perspectivas e inovações na refrigeração comercial

A busca por sistemas eficientes do ponto de vista de consumo de energia e de menor agressão ao meio ambiente é uma realidade no Brasil. Opções como sistemas com fluidos intermediários, uso de refrigerantes naturais como o CO2, aplicação de controles e componentes eletrônicos (inversores de frequência, controles digitais de capacidade, válvulas de expansão eletrônicas etc.), os sistemas descentralizados, uso de trocadores de calor mais eficientes (que permitem trabalhar com maiores pressões de condensação) e a melhoria de performance dos expositores refrigerados são os principais focos de trabalho da indústria.

Para diversos especialistas da área no Brasil esta modernização é um processo que ainda está evoluindo, onde, nos últimos anos houve mudanças significativas no setor, com a instalação de equipamentos mais modernos, voltados principalmente às reduções no consumo de energia, aumento da vida útil do equipamento, diminuição de trabalhos de manutenção corretiva e a melhora do sistema de refrigeração de uma forma feral.

Eles acreditam que as principais redes supermercadistas já conhecem o que o mercado tem de melhor para oferecer. O que falta ainda é a conscientização dos mesmos, já que inicialmente visam apenas o preço do equipamento e não o valor agregado que poderão adquirir.

 

Fonte: Revista Abrava + Climatização e Refrigeração (Março/2015).