Quebrando o Gelo com Sidney Mourão

O “vício” da Refrigeração pegou Sidney há 28 anos e, desde então, divide seu tempo entre aprendizado, conhecimento, trabalho e sua família. Dedicado e responsável, atua na Emerson como Gerente Técnico e acredita que bom profissional é aquele que conhece cada etapa de seu trabalho e a melhor forma de adquirir esse conhecimento é passando por diferentes setores nas empresas. Nas horas vagas, Sidney reune a família – dois filhos e a esposa – para passeios e a pratica de esportes. Se não trabalhasse com refrigeração? Ah, ele seria apresentador da Discovery e viajaria o mundo.  

 

O que mais gosta na sua área?

Como alguns dizem, Refrigeração é um vício, pois depois que entramos não queremos mais sair. Pra mim não se trata nem disso, pois considero a melhor coisa que poderia acontecer comigo e vício é coisa ruim. Como sou responsável pela parte técnica do setor de refrigeração, gosto de participar de todo processo e, em muitos casos, acompanhamos tudo desde o início, ou seja, o projeto, seleção de componentes, montagem do equipamento, envio para instalação, montagem e interligação dos produtos em campo, startup e, finalmente, a inauguração da instalação.

Costumo dizer que é como se fosse um filho que você acompanha o processo todo e tenho realmente prazer nisto, pois você faz a coisa acontecer. Fora isso, uma coisa que me dá muito prazer também são os treinamentos que fazem parte das minhas responsabilidades. Destes, participo do TTA, promovida pela Heatcraft, onde existe a participação de mecânicos de Refrigeração do Brasil todo e, em alguns casos, da América Latina. Além de treinamentos específicos para clientes finais, fabricantes e alunos de refrigeração do SENAI. Poder transmitir meu conhecimento de forma com que outros possam aprender, não tem preço. Acredito que esta é uma forma de ter satisfação de exercer uma função social.

Outro ponto importante é que hoje, por meio da Emerson, posso ter contato com as últimas tecnologias que estão presentes no mundo e, com isto, me mantenho atualizado e sempre aprendendo coisas novas. Minha vida não tem rotina e cada dia é um novo dia, com novos desafios para serem encarados.

 

Conte um pouco por quais áreas passou dentro da empresa e como isso contribuiu com sua carreira.

Atuo no mercado de refrigeração há 28 anos e ao longo desse tempo passei por diferentes áreas do setor, o que julgo ter sido importante para meu desenvolvimento na carreira. Iniciei na área de manutenção de torres de resfriamento, algo que hoje quase não existe, mas me deu uma visão do que é importante quando visitamos clientes e vendemos serviços de manutenção para eles. Além disso, me possibilitou uma visão de trabalho em equipe, pois aprendemos sobre a responsabilidade de entregar um serviço.

Depois passei para o setor de Ar Condicionado, onde trabalhei ajustando sistemas e fazendo entregas de obras. Mais uma vez para mim ficou bem claro a importância de se entregar para o cliente aquilo que foi vendido. Sabe, acho que este ainda é um ponto que o setor de refrigeração no Brasil tem que trabalhar, na minha visão existe aqui uma grande carência. Na sequência, passei parafabricante de equipamentos, chillers onde acabei conhecendo melhor uma linha de produção e de como a Elétrica e Eletrônica estão presentes em Refrigeração.

Já na Emerson, vivi diferentes posições na empresa, começando por Vendas e depois indo para a parte técnica. Passei, também, por Revendas, Ar Condicionado e, atualmente, Refrigeração.

 

O que aprendeu com tudo isso?

Como disse, aprendo a me adaptar a todo o momento e aprender coisas novas a cada dia dá vontade de inovar. Acho que este é um dos grandes segredos da vida para viver bem fazendo o que gostamos e NUNCA parando de abrir a mente para coisas novas. O mundo vai mudar muito nos próximos anos, com toda esta inovação tecnológica, PCs, telefones, acesso a Internet, não dá nem para imaginar como seremos daqui a 10 anos. Então, o segredo da vida, é estar pronto para mudanças e se adaptar às novas tecnologias, nunca parar de estudar e é isso o que passo para meus filhos o tempo todo.

 

Se não tivesse essa profissão, o que gostaria de ser (podem ser aqueles sonhos mesmo, cantor, veterinário)? Por quê?

Gostaria de trabalhar fazendo programas de televisão de viagens para a Discovery. É algo maravilhoso, onde podemos aprender novas línguas, conhecer novos lugares, novas culturas, viajar e transmitir aos outros como podemos aproveitar a vida. Gosto do que faço, mas seria realmente um belo upgrade profissional (risos).

 

O que mais gosta de fazer nas horas livres?

Gosto de esportes, tenho participado de algumas corridas e feito trilhas de bicicleta. Sempre que possível, e tenho conseguido na maior parte das vezes, pratico essas atividades com meus filhos e minha esposa, o que se torna um grande prazer. Ter contato com o esporte na companhia da família são possibilidades que valem muito pra mim.

 

Nas áreas pessoal e profissional, quais são seus projetos para o futuro?

Interessante esta pergunta e acaba sendo a mais complicada de ser respondida e não deveria ser assim, não é mesmo? Isso mostra que a coisa está a cada dia mais complicada, pois temos que nos envolver no serviço, entrega de tarefas, iniciar novas e a cada dia aprender mais sobre novas tecnologias e não acaba sobrando tempo para se programar e esse é outro grande erro.

Na área pessoal, meu objetivo é de ver meus filhos como pessoas bem sucedidas e acho que a coisa já está acontecendo, pois o mais velho que hoje tem 19 anos trabalha desde os 16, está fazendo faculdade e, também, trabalhando. O mais novo, com 16 anos, começou estágio em uma empresa de São Paulo e tem planos

de seguir com a faculdade assim que acabar o curso técnico que faz no momento.

Além disso, tenho objetivo de me preparar para ter mais tempo para viagens com a família e não parar de praticar esportes. Uma participação em uma prova como o Tour de France, como amador ( a L’Etape du Tour) seria algo bastante interessante de se fazer.

Na área profissional, estou acabando um curso de MBA em Projetos, onde busco mais uma vez conhecimento e, com isso, estando no mesmo nível de profissionais novos que aparecem na empresa a todo o momento. Acredito poder me preparar para assumir uma posição acima da que tenho hoje que é a de Gerente Técnico, pois não podemos parar de acreditar que é possível melhorar e ser mais produtivos do que somos hoje.

 

O que não pode faltar no ambiente de trabalho?

Alegria, honestidade e prazer de exercer sua profissão, gostar da sua profissão na minha visão é um ponto importante, pois não existe como ser bom profissional se não gostar do que faz.
De acordo com os seus amigos, colegas de trabalho, quais são as suas principais características (aquilo que é sua marca registrada)?

Falar muito e ouvir pouco, mas fazer o quê? Adoro falar! Já estou trabalhando para melhorar, pois sempre existe espaço para ser melhor.

 

Gostaria de agradecer alguém da Heatcraft ou mencionar algum colega de trabalho que seja importante para você?

A Heatcraft está em um ótimo momento, pois conta com um excelente nível de profissionais e que claramente gostam do que fazem e ainda estão motivados. Acredito que exista uma lista enorme que eu poderia fazer, mas alguns devem claramente receber destaque:

  • Ricardo Freitas: sem dúvida é hoje a cara das mudanças que a Heatcraft tem passado, admiro muito este líder e profissional pela forma que se envolve e está à frente das mudanças na visão e operação da empresa.
  • Pedro Dias: profissional apaixonado pelo que faz e está também a um bom tempo se dedicando à mesma empresa, acho bacana, pois não é algo comum nos dias de hoje.
  • Alexandre Donegatti: profissional que entrou na empresa como estagiário e hoje é um grande profissional, assumindo grandes responsabilidades no comando do departamento de Marketing.
  • Alexandre Andrade: profissional que respeito muito, pois é responsável por uma parte significante de vendas na empresa e, também, um profissional que há muito tempo faz parte da Heatcraft.
  • Fábio Pedroso: profissional relativamente novo e que já tem um destaque importante dentro do setor de vendas, inclusive com uma unidade de negócios que não era, até então, considerada algo importante ou com potencial. Seu trabalho tem dado um importante resultado e fazendo com que a empresa cada vez mais possa sair na linha de frente do mercado, vendendo soluções e não apenas componentes. Acredito que este é um futuro dentro do setor de refrigeração, ou seja, mais tecnologia aplicada, mais componentes eletrônicos e monitoramento.

 

Não desmerecendo outros profissionais, estes são os que tenho mais contato e respeito e a cada dia aprendo com eles como um exemplo a ser seguido.

 

[fancygallery id=”10″ album=”10″].